Federais brasileiros deflagram operação contra tráfico internacional de pessoas

  • A investigação conclui que transexuais estavam sendo aliciadas pelas redes sociais com promessas da realização de procedimentos cirúrgicos para a transformação facial e corporal e da participação em concursos de misses na Itália

A Foto Políacia Federal do Brasil 5Ribeirão Preto, São Paulo – Rio de Janeiro – A Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público Federal (MPF), deflagra na manhã do dia 9 de agosto, em Franca/SP, a Operação Fada Madrinha, para repressão ao tráfico internacional de pessoas e ao trabalho escravo.

Mais de 50 policiais federais deram cumprimento a cinco mandados de prisão preventiva e oito mandados de busca e apreensão nas cidades paulistas de Franca e São Paulo, Leopoldina, em Minas Gerais, além de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Jataí e Rio Verde, no estado de Goiás, todos expedidos pela 2ª Vara Federal de Franca, SP.

A investigação teve início em novembro de 2017, quando a Polícia Federal recebeu informações de que transexuais estavam sendo aliciadas pelas redes sociais com promessas da realização de procedimentos cirúrgicos para a transformação facial e corporal e da participação em concursos de misses na Itália.

As investigações apontam que as vítimas, ao chegarem à cidade de Franca em busca das promessas, eram submetidas à exploração sexual e à condição análoga à de escravidão, sendo obrigadas a adquirir itens diversos dos investigados (roupas, perucas, sapatos etc.), o que as levava a um ciclo de endividamento.

Os investigados aplicavam silicone industrial no corpo das vítimas e as encaminhavam para clínicas médicas para implante de próteses mamárias, havendo indícios de que as próteses utilizadas eram provenientes de reuso.

As vítimas consideradas mais bonitas e promissoras eram enviadas à Itália para a participação em concursos de misses, tudo a expensas dos investigados, o que dava causa a um novo ciclo de endividamento. Naquele país, eram novamente submetidas à exploração sexual para o pagamento de suas dívidas com o grupo criminoso.

No decurso das investigações foi apurado que esquema semelhante ao de Franca estava em curso nos estados de Goiás e de Minas Gerais e que havia uma parceria comercial entre os investigados, mediante o intercâmbio das vítimas.

Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de tráfico internacional de pessoas, redução à condição análoga à de escravo, associação criminosa, exploração sexual e exercício ilegal da medicina. Se condenados, as penas podem ultrapassar 25 anos de reclusão.

Acompanharam as diligências nesta data representantes do Ministério do Trabalho e Emprego e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que ficarão responsáveis por medidas protetivas às vítimas.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Comunicação Social da Polícia Federal em Ribeirão Preto, São Paulo. Edição para OIPOL, Luján Frank Maraschio.

Foto OIPOL
Carreiras na OIPOL

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: