Robert Mueller quebra seu silencio

  • Procurador especial diz que acusar Trump “não era uma opção”
A Foto Reuters
Robert Mueller. Foto Reuters

O procurador especial dos Estados Unidos, Robert Mueller, disse, na quarta-feira (29), que a investigação sobre a interferência da Rússia na eleição de 2016 jamais terminaria com acusações criminais contra o presidente Donald Trump e que não dará mais informações do que aquelas já publicadas em seu relatório.

Em seus primeiros comentários públicos desde que iniciou a investigação, em maio de 2017, Mueller afirmou que as diretrizes do Departamento de Justiça o proibiam explicitamente de fazer acusações contra um presidente no exercício do cargo.

“Acusar o presidente de um crime, portanto, não era uma opção que poderíamos cogitar”, disse o procurador em entrevista, ao anunciar sua renúncia do Departamento de Justiça.

Uma versão editada do relatório Mueller foi publicada em abril, concluindo que a Rússia interferiu repetidamente na eleição de 2016, e que a campanha eleitoral de Trump teve múltiplos contatos com autoridades russas, mas não se envolveu em uma conspiração criminal com Moscou para conquistar a Casa Branca.

O relatório Mueller tampouco julgou se Trump obstruiu a Justiça, mas delineou 10 instâncias em que ele tentou impedir a investigação.

“Se tivéssemos a crença de que o presidente claramente não cometeu um crime, teríamos dito isso. Nós, entretanto, não determinamos se o presidente de fato cometeu um crime”, afirmou Mueller, acrescentando que o relatório, de 448 páginas, fala por si.

“Além do que eu disse aqui hoje e do que está contido em nosso trabalho escrito, não acredito que é adequado eu falar mais”, observou o procurador em rápida entrevista na sede do Departamento de Justiça.

Ele não respondeu perguntas.

Trump, que rejeitou diversas vezes o inquérito Mueller, classificando-o como uma caça às bruxas, disse que o assunto está concluído.

“Nada muda em relação ao relatório Mueller”, escreveu no Twitter. “Não havia indícios suficientes e, portanto, em nosso país, uma pessoa é inocente. O caso está encerrado!”

Desde a publicação do relatório, democratas estão debatendo se iniciam um processo de impeachment contra Trump ou se simplesmente continuam as várias investigações sobre seu governo e negócios particulares.

“Dado que o procurador especial Mueller não foi capaz de apresentar acusações criminais contra o presidente, cabe ao Congresso reagir aos crimes, mentiras e outras irregularidades de Trump – e o faremos”, disse o presidente do Comitê Judiciário da Câmara dos Deputados, Jerrold Nadler.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Agência Brasil (EBC). Edição, Área Jornalística OIPOL.

LOGO2 PORT
Área Jurídica OIPOL de plantão para auxilia, aqui…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: