Novo capítulo de crise que abala o governo do Paraguai

A Foto A--
Presidente do Paraguai, Mario Abdo e Jair Bolsonaro.

Assunção, Paraguai – O presidente do Paraguai, Mario Abdo, disse nesta terça-feira que se defenderá das acusações feitas por seus detratores sobre a negociação de um acordo energético com o Brasil, em mais um capítulo da crise que abala seu governo há duas semanas.

Abdo esteve próximo de enfrentar o início de um processo de impeachment na última quinta-feira após a divulgação de um documento que estabelecia um cronograma para a contratação de energia elétrica da hidrelétrica binacional Itaipu, considerado prejudicial aos interesses do país por políticos e técnicos locais.

O documento foi tornado sem efeito por Paraguai e Brasil para apaziguar a turbulência, mas a responsabilidade do presidente voltou ao debate público depois que veículos de imprensa locais publicaram uma suposta troca de mensagens entre Abdo e o ex-presidente da empresa estatal de eletricidade, que renunciou em discordância com o documento, provocando o início do escândalo.

“Comecei a falar hoje porque era uma conversa privada que se fez pública… considero oportuno que as pessoas conheçam a postura de seu presidente”, disse Abdo à rádio Primero de Marzo.

Nas mensagens, o presidente paraguaio pede a Ferreira que acelere o acordo e o mantenha em sigilo. “Estou tranquilo por ter atuado com transparência, respeitando o canal da delegação que o cargo obriga, não podemos estar no debate técnico se somos nós os condutores políticos”, explicou.

A crise custou o cargo do chanceler Luis Castiglioni e de outras quatro autoridades do governo e Abdo disse ainda que o ministro da Fazenda, Benigno López, também colocou seu cargo à disposição nesta terça-feira.

“Ele me disse que não queria ser um fator de conflito”, disse o presidente, sem confirmar se aceitaria ou não a renúncia de seu ministro, que também é seu meio-irmão, e um de seus principais assessores.

Enquanto Abdo se defendia, partidos de oposição apresentaram na Câmara dos Deputados um pedido de impeachment contra o presidente, o vice Hugo Velázquez, e López. O procedimento só poderia avançar com o voto dos dissidentes do governista Partido Colorado.

O partido decidiu na segunda-feira cerrar fileiras com Abdo, ainda que os parlamentares dissidentes tenham dito que estava prevista uma reunião de líderes para discutir os novos acontecimentos.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela reuters. Edição, Área Jornalística OIPOL.

a-international1-1
Área Inteligência OIPOL, estamos de prontidão. Investigações criminais, financeiras e comerciais no mundo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: