Mortes e destruição em hospital no Rio de Janeiro

  • Informações provisórias apontam pelo menos dez mortos

O incêndio que atingiu na noite do dia 13 de setembro o Hospital Badim, na zona norte do Rio de Janeiro, deixou pelo menos dez mortos, segundo o Corpo de Bombeiros. Os bombeiros já concluíram o trabalho de busca por vítimas dentro da unidade particular de saúde.

Havia mais de 100 pacientes no local, no momento do acidente, e 90 deles tiveram que ser transferidos para outros hospitais. Durante a retirada, vários pacientes chegaram a ser acomodados na própria rua.

Eles foram transferidos para os hospitais Israelita Albert Sabin, Municipal Souza Aguiar, Copa Dor, Quinta Dor, Norte Dor, Caxias Dor e São Vicente de Paulo.

Quatro bombeiros também passaram mal durante a operação de combate ao incêndio e resgate de vítimas e foram encaminhados para o hospital dos bombeiros.

A Rua São Francisco Xavier, em frente ao hospital, que estava interditada para a retirada dos pacientes e o trabalho dos bombeiros, foi liberada ao tráfego agora de manhã.

Evacuação

O fogo começou com um curto-circuito no Prédio 1 do hospital, o mais antigo do complexo, espalhando fumaça por todos os andares do edifício. Todos os pacientes do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) já foram retirados e estão recebendo os primeiros atendimentos na Rua Arthur Menezes, que faz esquina com a Rua São Francisco Xavier.

Os pacientes do CTI 2, que tem 20 leitos, também foram s retirados do prédio. A fumaça tomou conta dos dois prédios e isso dificultou o trabalho de retirada dos pacientes, que foi pelo corpo clínico, devido ao forte cheiro de fumaça.

A direção do Hospital Badim informou que a equipe estava empenhada em prestar os socorros necessários aos pacientes, que estão sendo transferidos para o Hospital Israelita Albert Sabin, na Tijuca, também na zona norte, e para os hospitais da Rede d’Or, da qual o Badim é associado.

Devido à grande quantidade de fumaça, os primeiros atendimentos foram feitos na rua e também em uma creche que ficava ao lado do hospital. Os bombeiros dos quartéis do Maracanã e da Tijuca foram prestando socorro às vítimas e trabalhando no combate ao fogo.

As ruas São Francisco Xavier e Artur Menezes estavam interditadas ao tráfego de veículos para que as equipes de socorro possam trabalhar com mais rapidez.

Recentemente, a Rede d’Or inaugurou um prédio mais sofisticado do Hospital Badim, que fica ao lado da unidade antiga, com modernas instalações e equipamentos de última geração. Várias ambulâncias de outros hospitais da Rede d’Or se deslocaram para a Tijuca para auxiliar na transferência dos pacientes mais graves internados no Badim.

Incêndio controlado

Operação de guerra foi montada em frente à unidade…

Uma operação de guerra foi montada em frente ao Hospital Badim, na zona norte do Rio, que pegou fogo no final da tarde da quinta-feira 12 de setembro. Após o incêndio ter sido controlado, segundo informações divulgadas pelo Corpo de Bombeiros, o cuidado maior foi na remoção dos pacientes graves, que não puderam ser retirados de imediato, pois estavam em centros de Tratamento Intensivo (CTIs).

Uma informação emitida pela assessoria da Rede d’Or, a qual o Badim é associado, confirmou que um paciente em estado grave morreu após deixar o prédio atingido pelo incêndio, devido à inalação de fumaça tóxica. A informação foi passada pelo Corpo de Bombeiros.

Depois da saída dos pacientes que podiam ser removidos de imediato, os bombeiros e as equipes de emergência começaram a evacuar os casos mais graves, a partir das 21h.

Grupos de médicos, enfermeiros e técnicos corriam pedindo passagem entre a multidão que se aglomerava em volta, incluindo parentes e amigos de pacientes. Os profissionais levavam equipamentos de sustentação, como monitores cardíacos e tubos de oxigênio.

Mais cedo, logo após a notícia de incêndio se espalhar pelos corredores, por volta das 17h, a Rua São Francisco Xavier se transformou em um ambulatório ao ar livre. Pacientes eram trazidos dos dois prédios do hospital e acomodados em colchões. Em seguida, eram levados para uma creche e para a garagem de um edifício, vizinhos ao hospital, ou transportados em ambulância para hospitais e clínicas vizinhos.

Sem alarme

O incêndio, causado por um curto circuito em um gerador no subsolo do prédio mais antigo do complexo hospitalar, começou no final da tarde. A universitária Aline Raquel acompanhava a sua prima, Andréia, que estava internada no Badin. Ela conta que, por volta das 18h do dia 12 de setembro, percebeu as luzes dos carros dos Bombeiros e disse que não ouviu nenhum alarme, apenas os bombeiros mandando evacuar o prédio.

“A gente pegou o que podia e desceu caminhando. Tinha muito idoso. Foi desesperador, mas a gente estava em condições boas, mas para quem estava na UTI [Unidade de Tratamento Intensico] era complicado descer de escada”, disse.

A técnica de enfermagem Andreia de Oliveira estava em casa de licença, pois havia sepultado a mãe no dia anterior, mas não teve dúvida em ir correndo para o hospital e ajudar no atendimento aos pacientes.

“A união faz a diferença numa hora dessas. Pessoas de outras redes também vieram nos ajudar. A união faz a força. Nós estamos aqui para fazer um acesso, servir água, fazer uma massagem cardíaca”, disse Andreia.

Atendimento na rua

A luz onde fica o hospital, na região do Maracanã, foi desligada para que as equipes de socorro pudessem trabalhar com mais tranquilidade. Os pacientes foram colocados na calçada na Rua São Francisco Xavier, interditada ao tráfego pela Companhia de Engenharia de Tráfego do Rio (CET-Rio) para receber os primeiros socorros.

A Rede d’O informou que enviou ambulâncias de outros hospitais da rede para transferir os pacientes. Muitos foram levados para hospitais da Tijuca, um dos bairros da zona norte mais bem servidos de hospitais particulares.

A Secretaria de Estado de Saúde informou que também está auxiliando na retirada dos pacientes. Em nota, a secretaria disse que, ao todo, 15 ambulâncias dos hospitais Getúlio Vargas, Carlos Chagas, Adão Pereira Nunes e de diversas unidades de Pronto Atendimento (UPAs) foram enviadas ao local. Unidades hospitalares do estado também disponibilizaram leitos para pacientes feridos.

Além das ambulâncias, o Instituto de Assistência aos Servidores do Estado (Iaserj), que fica a poucos metros do local do incêndio, recebeu pacientes da unidade, que foram estabilizados e transferidos para outras unidades.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Agência Brasil (EBC). Edição, Área Jornalística OIPOL.

a-international1-1
Área Inteligência OIPOL, estamos de prontidão. Investigações criminais, financeiras e comerciais no mundo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: