Presidente do Brasil apoia ação dos EUA contra Irão

  • Bolsonaro apoia ataque americano contra líder militar iraniano
  • Irã convoca representante do Brasil em Teerã após nota do Itamaraty sobre morte de general

Funeral de Qassem Soleimani em KermanO Ministério das Relações Exteriores disse, nesta terça-feira, que a encarregada de negócios do Brasil em Teerã foi convocada pela chancelaria iraniana para uma conversa após manifestação do governo brasileiro a respeito da morte de um general iraniano em um ataque de drone norte-americano em Bagdá.

Segundo o Itamaraty, a conversa foi reservada e “transcorreu com cordialidade, dentro da usual prática diplomática”. O MRE acrescentou que não irá comentar o conteúdo da reunião.

“Informamos que a Encarregada de Negócios do Brasil em Teerã, assim como representantes de países que se manifestaram sobre os acontecimentos em Bagdá, foram convocados pela chancelaria iraniana. A conversa, cujo teor é reservado e não será comentado pelo Itamaraty, transcorreu com cordialidade, dentro da usual prática diplomática”, disse o Itamaraty.

A convocação da diplomata brasileira em Teerã ocorreu após o Itamaraty emitir uma nota na sexta-feira sobre a morte do general iraniani Qassem Soleimani, em que manifestou “apoio à luta contra o flagelo do terrorismo”.

Soleimani, considerado a segunda autoridade mais importante do Irã, foi morto na sexta-feira em um ataque dos EUA em Bagdá. Visto como “terrorista” pelo governo norte-americano, ele era um herói nacional para muitos iranianos, mesmo aqueles que não se consideram apoiadores devotos da elite clerical do país.

Apoio de Bolsonaro

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, defendeu o ataque americano que matou o líder da inteligência militar iraniana Qassem Soleiman, mas disse não esperar guerra.

“Nós somos favoráveis a qualquer medida que combata o terrorismo pelo mundo”, disse o Bolsonaro em entrevista ao jornalista José Luiz Datena, da TV Bandeirantes, e disse esperar que Washington e Teerão resolvam os seus diferendos sem ir à guerra.

“Nós sabemos a posição do Irão perante o mundo, o que os árabes pensam a respeito do Irão e como os apoios, ou melhor, o abandono de apoio em relação ao Irão vem acontecendo nos últimos anos. Então acompanhamos isso, não podemos concordar em grande parte com o que acontece lá, mas temos uma posição de uma certa equidistância”, acrescentou o Presidente que recusou revelar se conversou com Donald Trump, de quem é declaradamente admirador, após o ataque.

Para o Presidente brasileiro “a melhor coisa que podemos fazer neste momento é torcer e pedir a Deus que tudo seja resolvido. A gente não vai tirar proveito de uma possível guerra, não vai ter proveito para o nosso Brasil não”.

Em causa está o aumento do preço do petróleo que, em caso de continuar a aumentar, pode favorecer o Brasil.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada pela Reuters, por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiroe  e VOA NEws. Edição, Área Jornalística OIPOL.

atvv Publicar
Assistência de saúde internacional, solicite seu orçamento aqui.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: