Aumentam o número de contagiados e mortos no Brasil pelo Covid-19

  • Hospitais brasileiros tentam evitar colapso com avanço de coronavírus

A doutora Valdiléa Veloso corre contra o tempo: ela precisa de respiradores, máscaras e pessoal médico antes de a pandemia do novo coronavírus atingir seu pico no Brasil, onde o distanciamento social tem enfrentado problemas com a oposição do presidente Jair Bolsonaro a estas medidas.

5e8af929270000a503a67b6e
Jair Bolsonaro

Com a população ignorando de forma crescente os alertas das autoridades para ficar em casa – encorajada por Bolsonaro, que já criticou o que chama de “histeria” sobre o vírus -, as previsões sobre o comportamento da pandemia no país só piora.

O Brasil, com seus 210 milhões de habitantes, registrou até o momento 1.736 mortes pela COVID-19.

O estado de São Paulo, por sua vez, prevê cerca de 111.000 mortes ao longo de seis meses.

Vários estados enfrentam a possibilidade de seus sistemas de saúde entrarem em colapso.

Na lista estão São Paulo, Rio de Janeiro e Amazonas, com seu imenso território povoado por comunidades indígenas com um histórico trágico de terem sido dizimadas ao longo dos séculos por novas doenças.

Veloso, diretora do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, centro de referência no combate da COVID-19 no Rio de Janeiro, relata que a sua equipe já está cansada, doente e enfrenta a falta de equipamentos de proteção.

O hospital do instituto corre contra o relógio para disponibilizar 200 novos leitos de tratamento intensivo, treinar os novos funcionários e comprar ventiladores e máscaras de proteção.

Mas o que acontecerá caso não consigam dar conta do aumento no número de pacientes previstos para aparecer durante o pico da pandemia no país, projetado para o final de abril?

“Eu procuro nem pensar nisso (um colapso)”, conta à AFP.

“O estresse é muito grande. Mas quando eu penso, penso nas mortes que vão acontecer de forma desigual. As pessoas que vivem nas favelas vão ter mais chance de ser infectadas porque moram em ambientes pequenos, com muitas pessoas nos ambientes”, ressalta.

– Líder anti-isolamento –

Surfistas no Rio de Janeiro, ativistas anti-isolamento em São Paulo e pessoas que simplesmente precisam trabalhar desrespeitam cada vez mais as medidas recomendadas pelas autoridades estaduais e municipais para “achatar a curva”.

Em São Paulo, a proporção da população que fica em casa caiu até 47%, de acordo com o monitoramento baseado em dados de localização de telefones celulares – muito abaixo da meta de 80%.

Seguem o exemplo do presidente Bolsonaro, que comparou o vírus a uma “gripezinha”, condenou o impacto econômico das medidas para que as pessoas fiquem em casa – as quais orgulhosamente quebrou, insistindo no seu “direito constitucional de ir e vir.”

A doutora Veloso se diz preocupada com uma queda visível do distanciamento social.

“A única chance que nós temos de evitar o colapso é o isolamento”, afirma.

– Sinais de alerta –

Há sinais de alerta em todos os lugares.

São Paulo tem pelo menos cinco hospitais com mais de 70% dos leitos de terapia intensiva ocupados por pacientes com coronavírus – um porcentual que sobe rapidamente.

Um estudo constatou que o sistema de saúde municipal enfrentaria colapso até 19 de abril se as medidas de distanciamento social não fossem intensificadas.

O secretário de Saúde do Rio, Edmar Santos, disse que seu estado pode lidar com cerca de 16.000 hospitalizações, mas teme que o número chegue de 40.000 a 50.000. O governador Wilson Witzel, que luta contra o vírus, disse que o estado pode ficar sem respiradores até 28 de abril.

No Amazonas, o sistema de saúde já está à beira do colapso. Sua capital, Manaus, é a única cidade com uma unidade de terapia intensiva. Seus 50 leitos atendem a um estado quatro vezes maior que a Alemanha.

A imprensa brasileira relata que novos pacientes precisam esperar que alguém morra para serem admitidos.

O governo começou a construir hospitais de campanha para aumentar a capacidade. Ele está fornecendo de forma urgente respiradores e suprimentos médicos e inserindo no quadro mais de 1.000 enfermeiros e 80 médicos como reforço.

“A situação hoje de Manaus é que a curva está muito próxima da nossa linha de atendimento. O número de casos vai superar a nossa capacidade. Devemos fortalecer as medidas de contenção, mas também podemos elevar a nossa capacidade de atendimento”, disse o secretário-executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo, no sábado.

Mas há limites para a rapidez e a extensão com que isso pode acontecer.

As autoridades de saúde pública relatam que suprimentos e equipamentos vitais, como máscaras faciais e respiradores, são cada vez mais difíceis de obter, com fornecedores internacionais às vezes cobrando quatro vezes o preço normal ou até mais.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada por a agência AFP. Edição, Área Jornalística OIPOL.

Seguros de Viagens

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: