Invasão silenciosa do narcoterrorismo colombiano na Venezuela

  • Grupos subjugam indígenas com apoio de Maduro

O povo Uwottüja, que vive no estado de Amazonas, na Venezuela, declarou em uma assembleia de comunidades indígenas que o regime de Nicolás Maduro não resolve os seus problemas e necessidades. Os habitantes dos quatro rios (Sipapo, Cuao, Autana e Guayapo) e da região do médio Orinoco decidiram se defender com os seus próprios recursos da “invasão silenciosa” de organizações armadas e quadrilhas criminosas, bem como da prática de atividades ilegais em suas terras demarcadas, informa a ONG Wataniba de trabalho socioambiental da Amazônia.

“Manifestamos o repúdio à exploração da mineração ilegal em nosso território e ao trânsito de atividades ilícitas, como o narcotráfico”, disse, em março, o representante do Conselho de Anciãos Uwottüja, em Pendare, Amazonas. Além disso, eles exigiram que o regime “explique por que os grupos armados afirmam contar com a autorização do governo da Venezuela para permanecer em seu território”.

“Essa associação criminosa começou com o então presidente Hugo Chávez, o que permitiu que Maduro contasse com a cumplicidade de diversas instituições militares. Esse é um casamento ruim que violenta sistematicamente os direitos de todas as comunidades onde opera”, disse à Diálogo Eduardo Varnagy, professor da Universidade Simón Bolívar, em Caracas. “Os grupos ilegais armados colombianos são os grandes aliados [de Maduro] no controle político e social do país; eles subjugam através do medo às armas.”

No dia 26 de março, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos acusou Maduro e seus cúmplices mais próximos de narcoterrorismo, corrupção e lavagem de dinheiro, bem como da parceria com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) para exportar toneladas de drogas para os EUA. As autoridades norte-americanas oferecem US$ 15 milhões de recompensa por informações que levem à sua detenção.

“As FARC podem garantir a defesa armada para a manutenção de Maduro no poder”, disse Varnagy. “Além disso, várias frentes do Exército de Libertação Nacional (ELN) e do Exército Popular de Libertação da Colômbia operam em todo o território venezuelano.”

Pelo menos 28 grupos criminosos, tanto estrangeiros quanto nacionais, desenvolvem atividades de narcotráfico, mineração ilegal e terrorismo com armamento proveniente do Exército Bolivariano, disse a ONG venezuelana de direitos humanos Funda Redes. As populações indígenas dos estados de Bolívar e Amazonas são as mais afetadas, afirmou a organização.

“A Venezuela deixou de ser uma ponte para se transformar em um centro de operações de criminalidade do planeta”, declarou Varnagy. “Tudo isso ocorre com a anuência e a proteção do regime de Maduro”, acrescentou à Diálogo Javier Tarazona, presidente da Funda Redes.

Os nativos venezuelanos estão expostos ao “terror” gerado por esses grupos armados, que buscam impor a obediência com a prática de extorsão e índices de homicídios que alcançam picos extraordinários em algumas comunidades, diz o relatório Violência no sul da Venezuela, da ONG belga Internacional Crisis Group, que trabalha para evitar guerras.

“Pouco a pouco, as FARC e o ELN começam a ter o controle territorial do país, não apenas em zonas geográficas, mas também de atividades econômicas, nas quais protegem as concessões de jazidas de ouro, coltan e diamantes de empreiteiros russos e chineses”, acrescentou Varnagy. “Eles obrigam as comunidades indígenas e tradicionais a migrar para salvaguardar sua integridade física”, finalizou Tarazona.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada por Julieta Pelcastre/Diálogo. Edição, Área Jornalística Oipol.

logo_ciip_1
Carreiras com futuro!!! Leer en idioma espanhol.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: