Operam para combater fraudes relacionadas à Covid-19

  • EUA adotam enérgicas medidas
  • Deixemos claro: ainda não existe vacina para prevenir a Covid-19.

Mas existem vigaristas em todo o mundo tentando lucrar com os temores sobre Covid-19 recorrendo a profiláticas e curas falsas. Eles roubam dinheiro de suas vítimas e espalham informações erradas, diz Christopher Combs, agente especial encarregado do escritório de campo do Departamento de Investigação Federal dos EUA em San Antonio.

Mas Combs e seus colegas do Departamento de Justiça dos EUA estão trabalhando para acabar com essa fraude. No final de março, após uma queixa do Texas, o juiz distrital dos EUA Robert Pitman emitiu uma ordem temporária para fechar um site que cobra para enviar “kits de vacinas” falsos. Essa foi a primeira ação do Departamento de Justiça em um tribunal federal dos EUA a impedir a fraude relacionada ao coronavírus. E provavelmente não será a última.

Os golpistas globais não estão apenas vendendo vacinas e curas falsas, mas também enviando e-mails de phishing (técnica de fraude on-line) que se passam por mensagens advindas de organizações de saúde pública respeitáveis, mas de fato inserem malware (software destinado a danificar computadores) em telefones celulares por meio de aplicativos falsos.

“Usaremos todos os recursos à disposição do governo para agir rapidamente a fim de barrar esses mais desprezíveis golpistas, quer estejam fraudando consumidores, cometendo roubo de identidade ou entregando malware”, disse a procuradora-geral adjunta Jody Hunt.

Os operadores do site temporariamente fechado do Texas cobravam US$ 4,95 para enviar os kits de vacina, que alegavam terem sido obtidos gratuitamente da Organização Mundial de Saúde e que poderiam ser administrados após a adição de água.

O Departamento de Justiça está priorizando esquemas relacionados ao coronavírus* e diz que os operadores do site fechado tentavam lucrar com a confusão das pessoas e o medo da Covid-19. O departamento está buscando interditar permanentemente o site.

Em um esforço proativo para proteger os consumidores vulneráveis, o Ministério Público dos EUA no Distrito Leste da Carolina do Norte, por meio de uma parceria com o programa Refeições sobre Rodas*, ensinou 1.300 idosos a desligar chamadas de celular, pesquisar qualquer causa relacionada ao coronavírus antes de doar dinheiro, ignorar links de fontes desconhecidas e visitar o site dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA* para obter informações precisas sobre a Covid-19.

“Proteger nossas comunidades (…) continuará sendo uma das maiores prioridades do FBI”, disse Combs.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada por ShareAmerica. Edição, Área Jornalística Oipol.

Vistos 0
Oipol / Oitravels, Serviços Migratórios realiza a documentação para estrangeiro no Brasil. Veja aqui…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: