Violações de normas globais por parte da China

EUA trabalham com parceiros para combater o comportamento agressivo do regime chinês. Os EUA estão comprometidos em trabalhar com parceiros internacionais para defender os valores e as liberdades fundamentais.

De acordo com um novo relatório publicado pela Casa Branca com a participação de 20 departamentos e agências, os EUA buscam proteger a ordem internacional, amplamente aceita, contra violações de regras e normas globais por parte da República Popular da China (RPC).

Na “Abordagem Estratégica dos Estados Unidos para a República Popular da China*”, publicada em 20 de maio, o governo dos EUA afirma que o aprofundamento do envolvimento com a RPC não produziu a esperada “abertura fundamental econômica e política” na China. Em vez disso, o Partido Comunista Chinês (PCC) ameaça agressivamente outros países e seus próprios cidadãos.

O “uso crescente do poder econômico, político e militar do PCC para obrigar a aquiescência de Estados-nação” prejudica não somente os interesses vitais dos americanos, diz o relatório, mas também “mina a soberania e a dignidade de países e indivíduos em todo o mundo”.

Desafio representado pela China

AP_19274120129757-1024x683
Militares da RPC marcham em Pequim, em 1º de outubro de 2019, em comemoração aos 70 anos da fundação da RPC (© Ng Han Guan/AP Images)

O relatório oferece uma “avaliação exata” dos desafios do PCC à ordem internacional livre e aberta:

  • A estratégia de “fusão civil-militar” do PCC explora as liberdades que impulsionam a inovação a fim de roubar tecnologia de outras nações e promover as Forças Armadas chinesas.
  • O PCC persegue uigures e outras minorias religiosas e étnicas, prende ativistas políticos e jornalistas, e censura a mídia.
  • Os empréstimos obscuros da RPC sob sua Iniciativa Um Cinturão, Uma Rota sufocam o desenvolvimento sustentável nos locais que mais precisam deles.
  • A República Popular da China militariza os recursos disputados no Mar do Sul da China e impõe reivindicações marítimas que são inconsistentes com o Direito Internacional.

Compromisso dos EUA com valores fundamentais

AP_18211507492950-1024x683
O secretário de Estado dos EUA, Michael R. Pompeo, discursa no Fórum Indo-Pacífico de Negócios em 30 de julho de 2018, na Câmara de Comércio dos EUA, em Washington (© Jacquelyn Martin/AP Images)

O relatório descreve por que os Estados Unidos têm adotado uma abordagem competitiva para proteger os interesses dos EUA e impor custos ao PCC por suas ações perniciosas. Ao trabalhar com parceiros internacionais, os EUA defenderão valores fundamentais, incluindo direitos humanosliberdade religiosa e liberdade de navegação.

Os Estados Unidos estão comprometidos “com os valores e as normas fundamentais que têm servido de base ao sistema internacional desde o final da Segunda Guerra Mundial”, informa o relatório.

É procedente assinalar que a informação foi facilitada por ShureAmerica. Edição, Área Jornalística Oipol.

Afiliación Oipol Tres idiomas
Aqui pode fazer sua membresia…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: