EUA desafia excessivas reivindicações marítimas da Venezuela

  • O regime ilegítimo de Nicolás Maduro reivindica impropriamente o controle excessivo sobre aquelas águas internacionais, que se estendem por três milhas além das 12 milhas do mar territorial, uma reivindicação que é incompatível com a lei internacional.

No dia 15 de julho, o destroier de mísseis guiados classe Arleigh Burke USS Pinckney (DDG 91) da Marinha dos EUA desafiou as excessivas reivindicações marítimas da Venezuela em águas internacionais, durante uma operação bem-sucedida de liberdade de navegação no Mar do Caribe.

A Marinha dos EUA já havia contestado as excessivas reivindicações da Venezuela no dia 23 de junho, quando o USS Nitze (DDG 94) concluiu legítima e pacificamente uma operação similar nas águas internacionais fora das 12 milhas náuticas do mar territorial da Venezuela.

O regime ilegítimo de Nicolás Maduro reivindica impropriamente o controle excessivo sobre aquelas águas internacionais, que se estendem por três milhas além das 12 milhas do mar territorial, uma reivindicação que é incompatível com a lei internacional.

A Marinha dos EUA realiza operações de liberdade de navegação em todo o mundo para demonstrar o compromisso dos Estados Unidos de defender os direitos, as liberdades, o acesso e a utilização legítima das águas e do espaço aéreo internacionais garantidos a todas as nações.

As operações de liberdade de navegação ajudam a preservar a navegação marítima e os direitos de acesso devidos a todas as nações.

O acesso global às águas internacionais protege os interesses nacionais dos EUA, promove uma ordem internacional justa e garante que a Marinha dos EUA possa executar missões essenciais, incluindo os destacamentos de assistência humanitária, as operações de ajuda em desastres, o apoio aos esforços antinarcóticos internacionais e os exercícios multinacionais que fortalecem as parcerias regionais.

O USS Pinckney e outros navios da Marinha e da Guarda Costeira dos EUA estão atualmente no Caribe como parte das operações avançadas antinarcóticos.

“Nós exerceremos nosso direito legítimo de navegar livremente nas águas internacionais sem obedecer a reivindicações ilegítimas”, disse o Almirante de Esquadra da Marinha dos EUA Craig S. Faller, comandante do Comando Sul dos Estados Unidos. “O direito garantido às nações de acessar, transitar e navegar em águas internacionais não está sujeito a imposições ou restrições que ostensivamente violam o direito internacional.”

É procedente assinalar que a informação foi facilitada por Comando Sul dos EUA (SOUTHCOM). Edição, Área Jornalística Oipol.

a-international1-1
Área Inteligência OIPOL, estamos de prontidão. Investigações criminais, financeiras e comerciais no mundo…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: