Área de Defesa ajuda indígenas brasileiros no combate ao coronavírus

Os indígenas estão entre as populações com a maior taxa de mortalidade pelo coronavírus no Brasil, a qual é 150 por cento mais alta do que a média brasileira. Também é 84 por cento superior entre os índios a taxa de infecção pela doença, que atinge 759 indígenas em cada 100.000 habitantes, enquanto a média no Brasil é de 413 contaminações na mesma amostragem de indivíduos.

Desde maio, o Ministério da Defesa, em conjunto com o Ministério da Saúde, as Forças Armadas e profissionais de saúde, têm levado atenção médica e suprimentos básicos, incluindo equipamentos de proteção individual e alimentos, a populações indígenas em todo o território brasileiro.

BRA-Coronavirus-Indigenous-Aid-2-500x333
Nenhum resultado positivo foi encontrado nas duas centenas de testes de COVID-19 realizados entre o junho e o inicio de julho nos povos da terra Yanomami e da Raposa Serra do Sol. (Foto: Igor Soares/Assessoria de Comunicação Social do Ministério da Defesa).

A principal ação mais recentemente realizada foi a missão interministerial para populações indígenas de Roraima, no extremo norte do país. A missão integra a operação COVID-19, que envolve diferentes frentes de atuação do governo federal no combate ao coronavírus. Entre 30 de junho e 4 de julho, foram realizados 3.858 atendimentos médicos e de enfermagem em aldeias Yanomami e na terra indígena Raposa Serra do Sol, que estão entre as maiores terras indígenas do Brasil em extensão e onde moram grupos indígenas que vivem isolados.

Durante esses dias, a população local pôde realizar consultas e fazer exames pediátricos, ginecológicos, de clínica geral e de infectologia. Ao todo, 21 profissionais de saúde das Forças Armadas reforçaram o atendimento aos indígenas, trabalhando em parceria com as equipes de saúde já atuantes na região.

Também foram feitos 209 testes de COVID-19 em pessoas com suspeita de contaminação. “Não detectamos nenhum caso positivo na região. Isso é um bom sinal”, afirmou o secretário especial de Saúde Indígena, Robson Santos da Silva, sobre os testes nas terras indígenas.

Esforço logístico

Os insumos distribuídos aos indígenas Yanomami e da Raposa Serra do Sol, incluindo máscaras cirúrgicas, álcool em gel, luvas, toucas, aventais hospitalares, medicamentos e cestas básicas, somaram em torno de 4 toneladas. Para distribuir toda essa quantidade, a missão interministerial contou com o apoio da Força Aérea Brasileira (FAB), que emprega suas aeronaves e militares no deslocamento e distribuição do material.

A FAB também é responsável pelo transporte das equipes de profissionais, que dessa vez viajaram no KC-390, o maior cargueiro militar da América Latina.

Gabinete de crise

Para gerenciar o combate e a prevenção da disseminação da COVID-19 entre os indígenas, foi criado um gabinete de crise, coordenado pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência, com participação de instituições civis e da área judiciária.

A equipe realizou sua primeira reunião no dia 17 de julho, para desenvolver estratégias e criar barreiras sanitárias em 31 territórios com a presença de índios isolados.

É procedente assinalar que a informação e fotos foram facilitadas por Andréa Barretto/Diálogo. Edição, Área Jornalística Oipol.

a international1 (1)
Área de Inteligência da OIPOL superando limites de profesionalismo, veja…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: